quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Black Star

Hoje, olho para o céu de noite. Vejo estrelas, vejo a lua. Mas á lá uma estrela que não me deixa indiferente. És tu. Se eu pudesse, um dia ter-me despedido de ti como queria, tivesse dito todas as coisas lindas que merecias ouvir, se ao menos tivesse tido oportunidade de me despedir de ti, fá-lo-ia com toda a certeza. Mas como um dia me disseram e me explicaram, as coisas não são sempre como nós queremos, não acontecem como nós prevemos. Fico triste por saber o quão verdade isso é. E tenho pena. Pena de saber que não pudemos realizar todos os nossos sonhos. Tenho pena que nos estejam a prender cada vez mais a um país que não anda nem desanda. Cada vez com mais dificuldade. Mas isso são outros assuntos. Afinal, foste tu quem me trouxe aqui hoje. Se aqui estou hoje e sou como sou, foste tu quem me fez ser assim. Foste tu que me ajudou em tudo o que podia e não podia. E um dia, tal como tu, vou ser uma estrela no céu. Uma estrela negra. Não acredito que sejas uma dessas estrelas brilhantes, porque perdeste o teu brilho quando partiste da minha vida. Deixaste-me só. Sem saber o que fazer sem ti. Sem ti, eu não era ninguém. E continuo a não ser. És uma parte de mim que já morreu, há tempo demais. Não podes voltar? Preciso de ti aqui. Preciso que me ajudes a ultrapassar tudo aquilo que eu achava um problema, e que tu sempre simplificaste. Preciso da tua presença. De te abraçar outra vez. De chorar no teu colo. Preciso que me trates das feridas quando caio. E que me dês um rebuçado para ficar mais contente e não chorar, tal como fazias quando era mais pequena. Admito que ainda não sei nada da vida, e nunca o vou saber, nem mesmo quando morrer. Mas se há coisa que eu sei, é que tu devias estar aqui comigo, agora. Devias ter-me apoiado agora, agora que eu preciso mais de ti. Muitos não choraram a tua morte, talvez por choque. Mas eu sim. Seja dia, seja noite, não haverá um único dia em que olhe para o céu e não veja uma estrela negra a olhar para mim, tal como eu olho para ela. Não haverá um dia em que eu não sinta a tua falta, e em que não pense em ti. Não haverá um dia em que não precise de ti, e não te queira abraçar. Esse dia nunca vai chegar, porque aquela estrela negra no céu, nunca vai desaparecer. Porque essa estrela és tu, e estarás sempre lá a olhar por mim, tal como eu olho para ti. Mas com a diferença de que eu posso agir, tu só me podes mostrar o caminho. És a minha estrela negra.

Sem comentários:

Enviar um comentário