sábado, 28 de janeiro de 2012

I Love You

Não percebo. Não percebo o porquê daqueles que nos amam realmente nos magoarem tanto. Não sei nada do amor. Mas começo a achar que não quero saber. Ás vezes parece ser tudo tão fácil, mas no momento seguinte tudo muda. Será que o significado de amar não é sempre igual? Para mim amar significa não dar a vida pelo outro, mas sim ajudá-lo quando precisar ou não. Eu amo-te. Sempre te amei. E sempre te vou amar. Não existe o “Eu amo-te há minha maneira”, pelo menos para mim. Muitas das vezes não te entendo, nem tu me entendes a mim. Temos opiniões diferentes do que é a vida, porque ela assim nos fez. Mas apesar de tudo estamos cá um para o outro. Não sei o que se tem passado nestes últimos tempos. Sinto que não estou bem. Sinto que não estamos bem. Sinto que algo mudou. E apesar da mudança, eu continuo a precisar de ti. Continuo a precisar que estejas do meu lado, que me dês opiniões, que me ajudes quando preciso. Sem ti, eu sei viver, mas não quero saber viver sem ti. Hoje, num mundo em que cada um quer saber de si, eu sinto que nós nos preocupamos um com o outro. Não lhe chamo gostar apenas, mas sim amor. És importante na minha vida. Se me deixares sei que parte de mim fica para trás. E eu não quero. Não quero esquecer esta parte da minha vida onde tudo começou para mim, onde realmente acho que comecei a viver. Não quero que deixes de me falar, como tantos outros ex-casais o fazem hoje em dia. Porquê? Porque não amaram realmente, ou porque o que sentiram não era amor. Nunca te pedi para abdicares de nada por mim, nem o vou fazer. Seria egoísta da minha parte. E sei que também nunca mo irás pedir. Neste momento difícil das nossas vidas, precisamos mais que nunca, de estar unidos. A união faz a força, sempre mo disseram. A minha pergunta é, tens força para continuar o que começámos? Eu acredito que sim. Eu tenho essa força, e sei que estamos a passar uma má fase. Sou uma pessoa que tem sentimentos como todas as outras. Sou como todas as outras mulheres que quando dizem que não têm nada, é porque têm tudo. Porque tudo está mal naquele momento para elas. Mas no dia seguinte, elas erguem-se, cheias de força para continuar o que começaram. Vão em frente. Não desistem. Isso é a maior virtude que se pode ter, para mim. Quando me levanto e não tenho uma mensagem tua, fico triste. Penso que não te lembraste de mim naquele dia ainda, mesmo que não seja verdade. Quando estou agarrada ao telemóvel á espera das tuas respostas e tu só me respondes minutos mais tarde, fico triste porque penso que não sou suficientemente interessante para ti, mesmo que não seja verdade. Quando adormeces e não me respondes a uma mensagem, fico triste, porque penso que não me ligaste nenhuma. Quando te digo alguma coisa, por vezes com brutidade ou arrogância, não é para te mandar a baixo. Mas sim para que finalmente tu ajas por ti próprio. Que faças alguma coisa por ti. Odeio que estejam ao meu lado a lamentar-se e nada fazem para o mudar. Tu, por vezes, és assim. Mas nesses momentos ai estou eu, para te mudar esse pensamento. E quando não estou em presença, tento estar em pensamento. Porque gosto de ti, porque te amo de verdade.

Sem comentários:

Enviar um comentário